domingo, 26 de setembro de 2010

Cabús no Campus Poético



Marcos de Farias Costa

O engenheiro, professor e poeta Ricardo Cabús eclodiu de forma abrupta na história recente da cultura alagoana e não importa se concordamos ou discordamos de suas convicções: temos que reconhecer que ele conseguiu abalar a vegetativa atividade intelectual alagoana dos últimos 30 anos, subvertendo o marasmo do estaticismo e esteticismo caetés, pondo lenha na fogueira, até a tampa da chaleira voar.

Reunir quase quinhentas pessoas num encontro de poesia erótico-carnavalesca, como ocorreu no tradicional e apático Museu Théo Brandão foi o seu gol de letra: somente em festivais de música se consegue a proeza de se aglutinar tanta gente, num clima etílico de arte e poesia, o que lhe confere o título de líder em noturnas e públicas pelejas literárias. E detonou uma discussão mais ampla e complexa de encontros coletivos poéticos do que os velhos festivais artísticos de Marechal Deodoro, por exemplo, que esgotaram suas potencialidades e não lograram deslanchar o movimento nem influenciaram as gerações subseqüentes. O Papel no Varal ganhou um ritmo e vem se expandindo em tal velocidade que o próprio Ricardo Cabús jamais imaginaria estes resultados nem em seus melhores momentos de otimista radicalidade. Tem que se beliscar ou esfregar os olhos para ver se está realmente acordado. Mas os frutos virão.

Agora em seu segundo livro de poemas Cacos inconexos, Ricardo Cabús ressurge com mais maturidade, domínio de texto, abrangência de temas e percepção poética, dando de quebra um banho como tradutor, vertendo e convertendo ao nosso idioma autores do nível de D.H.Lawrence, T.S. Eliot, e.e.cummings, Emily Dickinson, John Donne (“No man is an island”), Lord Byron (“Eden revives in the first kiss of love”), Sylvia Plath, Octavio Paz, Neruda, Auden, Violeta Parra, Yeats, Walt Whitman, William Blake, und so weiter... É pra se arrombar!

Gostar ou não gostar não é mais a questão shakespereana, o importante é que Ricardo Cabús abriu uma janela no horizonte cultural alagoano, apontando novos rumos, constituindo uma curiosa unanimidade social de poesia, e sendo apenas uma pessoa com uma idéia na cabeça, já fez mais pela divulgação da poesia lírica de nossos autores do que todas as secretarias de cultura do Estado de Alagoas enfiadas no mesmo saco, desde que eu me entendo por gente. Para mim valeu mais que as vociferações antifascistas da moribunda esquerda festiva, os discursos abestalhados sobre o rigor da poesia (rigor mortis?) ou as eternas e babacas ilações sobre o sexo dos anjos.

A poesia parou de necrosar em Maceió.

Maceió, Jaraguá, Rua do Uruguai

(Foto do autor: Ricardo Ledo - Gazeta de Alagoas )

Um comentário:

  1. Felicitaciones y mis saludos desde Santiago de Chile, un abrazo

    Leo Lobos

    ResponderExcluir